Espiritualidade Platônica


“Todos nossos esforços estão hoje voltados para produzir um único fruto: mais prosélitos em nossos templos”

Fui visitar a cadeia de adolescentes da cidade onde moro. Sei que não se chama cadeia, e que tal estabelecimento não deveria se parecer nem de longe com uma – mas é uma cadeia, sim, com todas as mazelas que isso significa: celas cheias e imundas, confinamento integral, violência, promiscuidade, falta de opções de aprendizado ou reconstrução pessoal. De um lugar destes, não se volta. O corpo sai, ao fim da pena estabelecida; mas a alma do interno fica lá, presa com outros jovens franzinos, sedenta de ar e respostas. Choca saber que grande parte dos meninos que ali estão vieram de famílias evangélicas. Dentro das celas, há indícios da fé um dia aprendida – paredes pichadas com frases como “Jesus salva” ostentam também os mais repulsivos palavrões.

O que aconteceu com o poder do nosso Evangelho? Há algo de podre no reino da Dinamarca. A verdade de Cristo parece não estar resolvendo muita coisa numa cidade em que pelo menos 40% da população confessa-se evangélica. Mas será que a verdade chegou integralmente até ali? Será que a mensagem da verdade, que é o próprio Cristo, foi entendida e vivida pelos cristãos e transmitida de maneira clara? Temos que crer que o problema não está na mensagem, cujo DNA é do nosso Deus Criador e Todo-poderoso. O problema tem que estar nos filtros que usamos para perceber e transmitir essa mensagem.

O poder transformador do Evangelho é proporcional à integridade com que sua mensagem original é mantida. Se alguém observasse a Europa pré-Reforma, com suas pestilências, guerras, sociedade hierarquizada ao extremo e cidadãos mergulhados nas trevas da ignorância, diria que a mensagem cristã também ali era inefetiva, já que a população do continente era primordialmente cristãos. No entanto, assim que a mensagem foi clareada, ou seja, assim que houve um retorno a princípios básicos antes ignorados, a transformação foi imediata. Lutero, Calvino, Zwinglio e outros reformadores pregaram o Evangelho do homem todo e da sociedade toda – o Evangelho da redenção social e individual. A influência desta teologia gerou o desenvolvimento dos países do norte da Europa e da América anglo-saxônica, o que se faz sentir até hoje.

O Brasil cada vez mais evangélico, assim como a Europa medieval, se debate em agonia com a falta da aplicação da mensagem integral do Reino de Deus. Reduzimos a mensagem do Evangelho a um significado só – apenas a salvação importa, e esta salvação tem uma manifestação única, a conversão do indivíduo salvo às nossas denominações evangélicas. Isso torna nossa pregação extremamente proselitista. Diante dos problemas sociais graves que vemos no Brasil, temos só uma resposta: “converteremos todos à nossa religião e então teremos cumprido a vontade de Deus e o Brasil será um país melhor”.

Tentamos ser relevantes, mas nosso fruto é sempre o mesmo. Temos um sabor só, uma cor só, um fruto só: religião. Pensamos em nossa tarefa como sendo unicamente a de salvar indivíduos. Se vamos ao presídio, falamos de salvação, o que não é nada novo para os que ali estão detidos, se vamos à TV, falamos de salvação, como se o telespectador já não soubesse decor e salteado o que lhe apresentamos; se vamos ao Congresso, achamos que ao colocar a Bíblia na tribuna e evangelizar mais deputados, estaremos mudando a sociedade. Mas usamos dinheiro público para construir catedrais e beneficiamos os crentes com leis circunstanciais e oportunistas. Se fazemos trabalho social, pensamos, na maior parte das vezes, em “converter” mais pessoas. Todos nossos esforços estão voltados para produzir um único fruto: mais prosélitos em nossos templos.

O problema é que usamos o óculos grego para ler a Bíblia. Na cosmovisão greco-cristã, influenciada pelo platonismo, a alma e o espírito do indivíduo é a única matéria-prima possível para a ação do Espírito Santo para chegar a um produto único mais óbvio – a sua salvação deste mundo material corrupto para o perfeito mundo do espírito. Esta espiritualidade platônica acaba nos tornando mais parecidos com hinduístas do que com verdadeiros cristãos. Só que a cosmovisão hindu, que considera o mundo material absolutamente inútil e desprezível, produziu a miséria indescritível que hoje vive a Índia.

Se restaurarmos a compreensão tribal da mensagem de Deus, recuperaremos dois pilares fundamentais na visão de mundo judaico-cristã: a identidade social e a espiritualidade concreta, ou seja, a visão do ser humano como um todo, espírito e matéria. Entendemos que o grupo, assim como o indivíduo, também pode ser ou não “salvo”, refletir ou não os valores de Deus na prática social, nas leis, na forma de ser sociedade, no governo, na arte. Aí, passa a existir a dimensão sociológica do “amai-vos uns aos outros”. Temos que entender o plano de Deus para a sociedade e para todas as áreas da vida. Expressar o amor do Senhor para a sociedade a partir de nossa identidade coletiva é parte da nossa missão, tanto quanto lutar pela salvação de seus indivíduos.

Se pensássemos o cristianismo além da mera salvação, saberíamos o projeto concreto de Deus para o mundo dos negócios, para o sistema educacional, para a administração pública, para a cultura nacional. Haveriam outros frutos possíveis para nossa fé evangélica, além de igrejas cheias. Trabalharíamos com a essência divina da sociedade humana antes que ela se desintegrasse, abraçaríamos a cidade antes que nela se instalasse o caos. Se amássemos a socidade, seríamos capazes de articular nossa visão de mundo tão bem que as pessoas se apaixonariam pelo modelo social exemplificado por nós. Mostraríamos então na prática o amor incondicional e integral de Deus para todas as pessoas, independente de cor, classe social, gênero. Não guerrearíamos contra a sociedade – mas, ao contrário, nos uniríamos a ela para combater seus problemas e propor soluções. Mas por enquanto só temos produzido um único fruto: a religião, que se empobrece fria dentro de templos faraônicos.

Bráulia Inês Ribeiro
está na Amazônia há mais de 25 anos como missionária, é presidente nacional da JOCUM(Jovens Com Uma Missão) e autora do livro Chamado Radical (Editora Atos)

Artigo Publicado na Revista Eclésia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Flamengo in Indonesia

Sobre o país que moro